Artigos

Como a Agricultura, Arquitetura e Vestimentas influem na interpretação das passagens bíblicas

Como a Agricultura, Arquitetura e Vestimentas influem na interpretação das passagens bíblicas

Agricultura 1. Que há de tão estranho no fato de Samuel pedir chuva ao Senhor na época da colheita do trigo, em 1 Samuel 12.17? A colheita do trigo acontecia em maio ou junho, assim que começavam os seis meses de estio, que iam de abril até o final de outubro. Se chovesse na estação da seca, ficaria evidente a operação do Senhor. 2. Por que Salmos 1.4 compara os ímpios à palha? Para mostrar que o ímpio não tem segurança. Quando os fazendeiros joeiram o trigo, o vento leva a palha, Leia mais…

Pai Nosso meditado

Pai Nosso meditado

CRISTÃO: Pai nosso que estais no céu…DEUS: Sim? Estou aqui. CRISTÃO: Por favor, não me interrompa, estou rezando!DEUS: Mas você me chamou! CRISTÃO: Chamei? Eu não chamei ninguém. Estou rezando. Pai nosso que estais no céu…DEUS: Aí, você chamou de novo. CRISTÃO: Fiz o que?DEUS: Me chamou. Você disse: Pai nosso que estais no céu. Estou aqui. Como é que Posso ajudá-lo? CRISTÃO: Mas eu não quis dizer isso. É que estou rezando. Rezo o Pai Nosso todos os dias, me sinto Leia mais…

Josué realmente conquistou Jericó?

Josué realmente conquistou Jericó?

De acordo com a Bíblia, depois de 40 anos de caminhada no deserto do Sinai, Moisés trouxe os israelitas ao rio Jordão. Naquela fronteira separando o povo escolhido de seu lugar escolhido, Moisés subiu e permaneceu no monte Nebo, enquanto Josué, como seu sucessor, guiou o povo através do Jordão até o país de Canaã. Na história escriturística, esta entrada na Terra Prometida é realizada por uma série de conquistas militares nas quais os israelitas capturaram fortificações cananitas. Leia mais…

Como a Economia e as Leis influem na interpretação das passagens bíblicas

Como a Economia e as Leis influem na interpretação das passagens bíblicas

Economia 1. Em Jó 22.6, por que Elifaz acusou Jó de exigir penhores de seus irmãos sem motivo? Na época do Antigo Testamento, essa atitude era considerada um crime desprezível. Se uma pessoa devesse dinheiro a outra e não pudesse pagar, a devedora dava sua capa à credora como penhor ou garantia do pagamento futuro. Contudo, ao cair da noite, a credora devia devolver-lhe a capa, pois provavelmente ela apascentaria ovelhas no campo ao relento e precisaria ter com o que se cobrir. Tomar um Leia mais…

Entendendo a frase “Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, os homens e […] animais. Arrependo-me de have-lôs feito”

Entendendo a frase “Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, os homens e […] animais. Arrependo-me de have-lôs feito”

É verdade, sem sombra de dúvida, que Deus em sua onisciência sabe todas as coisas por antecipação, e nada que acontece o apanha de surpresa. No entanto, é erro inferir disso que o Senhor não pode ter emoções nem deve reagir de acordo com a depravação voluntária de suas criaturas. As Escrituras jamais o apresentam como um Ser impassível, incapaz de demonstrar tristeza ou ira, mas, bem ao contrário, o Senhor é um Deus que se preocupa, demonstra interesse e ama até os filhos de Adão Leia mais…

A importância do êxodo

A importância do êxodo

A importância do êxodo tem sido enfatizada por Eugene Merrill, professor de Antigo Testamento no Dallas Seminary, que chamou-o de “o mais significa­tivo acontecimento de todo o Antigo Testamento.” O êxodo não é simplesmente um acontecimento isolado dentre muitos na história do povo judeu; este foi o evento central sobre o qual os planos de Deus sofrem uma reviravolta e tanto o Antigo como o Novo Testamentos estão unidos. O professor John Durham explica: Tanto dentro do livro de Êxodo Leia mais…

Como o contexto Religioso influi na interpretação das passagens bíblicas

Como o contexto Religioso influi na interpretação das passagens bíblicas

1. Por que Moisés deu um mandamento tão estranho quanto este: não cozerás o cabrito no leite da sua própria mãe” (Êx 23.19; 34.26; Dt 14.21)? Existem referências a essa prática em escritos descobertos na antiga cidade de Ugarite, próxima à atual Ras Shamra, no Líbano. De acordo com essa descoberta arqueológica, tal hábito era parte de um ritual cananeu. Evidentemente, então, Deus não queria que os israelitas participassem de nenhuma prática religiosa dos cananeus. Outro motivo Leia mais…

O termo “filhos de Deus” em Gênesis 6.2

O termo “filhos de Deus” em Gênesis 6.2

Gênesis 6.1, 2 diz: “Quando os homens começaram a multiplicar-se na terra e lhes nasceram filhas, os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram bonitas, e escolheram para si aquelas que lhes agradaram”. O termo “filhos de Deus” (benê ’ elōhîm) é empregado no AT para anjos ou homens, verdadeiros crentes, compromissados totalmente com a obra de Deus. Entre as passagens que se referem a anjos como benê ’elōhîm estão Jó 1.6; 2.1; 38.7; Salmos 29.1; 89.6 (89.7 no TM). O TM não Leia mais…

Introdução ao livro de Êxodo.

Introdução ao livro de Êxodo.

Enquanto estas palavras estão sendo escritas é Páscoa novamente na terra. Por todo o mundo, judeus (e muitos cristãos, veja 1 Coríntios 5.7-8) estão celebrando a redenção da escravidão no Egito. Numa cerimônia que a comunidade judaica tem celebrado em sucessão inquebrável por quase 3.500 anos, a Páscoa comemora o evento que foi o marco do início da nação judaica — o êxodo. É curioso, então, que mesmo sendo mantida a Seder (a refeição tradicional) e lida a Hagaddah (a história Leia mais…

Ressurreição e exaltação do Filho de Deus

Ressurreição e exaltação do Filho de Deus

Quais são as principais características da espiritualidade e da missão cristã, na atualidade, à luz da ressurreição e exaltação do Filho de Deus? Para essa reflexão utilizarei o Hino Cristológico encontrado em Fp 2.6-11. Esse hino é dividido em duas estrofes (6-8, 9-11) e relata três momentos temporais da existência de Jesus Cristo. Pré-existência – Cristo antes da criação do mundo.Existência terrena – iniciada com a encarnação e consumada com a morte e ressurreição.Exaltação Leia mais…

Oficialização imperial do cristianismo 02

Oficialização imperial do cristianismo 02

A Religião Imperial Para Eusébio de Cesaréia, historiador e biógrafo cristão de Constantino, ele representava o fim da era do cristianismo católico e o início da era do império Cristão 312 a 590. Começa assim a cristianização do Império e a interferência Imperial nos assuntos da igreja. Constantino tem a visão de uma cruz e vê uma frase “Nesse sinal a vitória” ele então venceu seu opositor ao trono Maxêncio, ele funda Constantinopla atual Istambul capital do Império Bizantino. Leia mais…

Como o contexto político influi na interpretação das passagens bíblicas

Como o contexto político influi na interpretação das passagens bíblicas

Política (nacional, internacional e civil) 1. Por que o rei Belsazar concedeu a Daniel a terceira colocação no governo babilônico, e não a segunda (Dn 5.7,16)? Porque, como nos conta a história secular, Belsazar era na realidade o segundo no comando. Nabonido, seu pai, ausentara-se do país por um período longo. 2. Por que Paulo mencionou em Filipenses 3.20 a pátria celestial de seus leitores? A cidade de Filipos era uma colônia romana. Os habitantes de Filipos não eram cidadãos Leia mais…