Estudos Bíblicos Grátis

Existem evidências geológicas que comprovam  ter havido um Dilúvio universal?

Existem evidências geológicas que comprovam ter havido um Dilúvio universal?

O registro bíblico de Gênesis 7 e 8 descreve não uma inundação local, circunscrita ao vale da Mesopotâmia (como alguns estudiosos têm sugerido), mas o nível das águas cobriu os picos das montanhas mais altas. Gênesis 7.19 declara: “As águas dominavam cada vez mais a terra, e foram cobertas todas as altas montanhas debaixo do céu” [literalmente, “que estavam debaixo de todo o céu”; grifo do autor). A seguir, o versículo 20 informa que o nível da água ergueu-se quinze côvados acima Leia mais…

Oficialização imperial do cristianismo 02

Oficialização imperial do cristianismo 02

A Religião Imperial Para Eusébio de Cesaréia, historiador e biógrafo cristão de Constantino, ele representava o fim da era do cristianismo católico e o início da era do império Cristão 312 a 590. Começa assim a cristianização do Império e a interferência Imperial nos assuntos da igreja. Constantino tem a visão de uma cruz e vê uma frase “Nesse sinal a vitória” ele então venceu seu opositor ao trono Maxêncio, ele funda Constantinopla atual Istambul capital do Império Bizantino. Leia mais…

Como o contexto político influi na interpretação das passagens bíblicas

Como o contexto político influi na interpretação das passagens bíblicas

Política (nacional, internacional e civil) 1. Por que o rei Belsazar concedeu a Daniel a terceira colocação no governo babilônico, e não a segunda (Dn 5.7,16)? Porque, como nos conta a história secular, Belsazar era na realidade o segundo no comando. Nabonido, seu pai, ausentara-se do país por um período longo. 2. Por que Paulo mencionou em Filipenses 3.20 a pátria celestial de seus leitores? A cidade de Filipos era uma colônia romana. Os habitantes de Filipos não eram cidadãos Leia mais…

Gênesis 3.22 – O que significa o homem se tornou como um de nós.

Gênesis 3.22 – O que significa o homem se tornou como um de nós.

No jardim do Éden, a serpente disse a Eva que, se ela e Adão comessem do fruto proibido, seriam “como Deus” (Gn 3.5). Depois, em Gênesis 3.22, diz o Senhor: “Agora o homem se tornou como um de nós”. Será que “um de nós” implica a existência de mais de um Deus? De modo algum! O termo usual hebraico traduzido por “Deus” é elōhîm, que é o plural de elōah. Às vezes, é empregado como verdadeiro plural, com referência aos deuses imaginários dos pagãos. Mas geralmente se refere ao verdadeiro Leia mais…

A transposição do abismo cultural

A transposição do abismo cultural

No livro Alice no País do Espelho, Humpty Dumpty disse para Alice: “— Existem 364 dias nos quais uma pessoa pode receber um presente de in-aniversário”. Alice concordou, e ele acrescentou: “E um dia só em que possa receber presente de aniversário, não é? Logo, glória para você! “— Não sei o que quer dizer com esse ‘glória’, objetou Alice. “Humpty Dumpty sorriu. Leia mais…

A salvação na Antiga Aliança

A salvação na Antiga Aliança

Desde o Gênesis até o Apocalipse, Deus deixa bem claro que ninguém se salva por obras próprias, mas apenas pela fé nas promessas divinas. Só no  Éden a salvação foi apresentada com base na obediência, com a advertência acompanhada da pena de morte para a transgressão da ordem de Deus: “Mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá” (Gn 2.17). Em Gênesis 3, essa determinação foi quebrada tanto por Adão quanto Leia mais…

Os patriarcas

Os patriarcas

Lendas vivas ou vidas lendárias? A arqueologia tem lançado luz considerável sobre a história dos Patriarcas em Gênesis: Abraão, Isaque e Jacó. Não que quaisquer registros destes homens possam ter sido jamais encontrados fora da Bíblia, mas o véu que anteriormente escondia seus tempos foi levantado. Como resultado, sabemos agora mais sobre o tipo de pessoas que eles eram, de onde eles vieram, como viviam, o que criam, onde e como eles devem ser encaixados na história das grandes nações Leia mais…

A interpretação bíblica – Século XX

A interpretação bíblica – Século XX

O século XX abriga muitas correntes de interpretação bíblica. O liberalismo deu continuidade a uma boa parcela da abordagem racionalista e mais crítica do século XIX. A ortodoxia adotou uma concepção tanto literal quanto devocional da Bíblia. A neo-ortodoxia diz que a Bíblia toma-se a Palavra de Deus nos encontros existenciais do homem. O bultmannismo adotou uma perspectiva mitológica da Bíblia. O liberalismo, que teve grande influência no século XIX, entrou pelo século XX. Nele, Leia mais…

O jardim do Éden pode ser localizado num mapa?

O jardim do Éden pode ser localizado num mapa?

Gênesis 2.10-14 fornece alguns indícios da localização genérica do Éden, mas pressupõe condições geológicas que não mais existem. Daí se deduz a imprudência de conjecturar a existência de um local mais preciso que as cabeceiras dos rios Tigree Eufrates, nas terras elevadas da Armênia (i.e., as fronteiras orientais da moderna Turquia). O grande rio que sai do Éden subdivide-se no Tigre e no Eufrates e depois em outros dois, mais compridos (o Pisom, que desce até Havilá, ao longo Leia mais…

A interpretação bíblica – Século XIX

A interpretação bíblica – Século XIX

Três elementos do século XIX podem ser examinados: o subjetivismo, a crítica histórica e os trabalhos exegéticos. No movimento que ficou conhecido como subjetivismo, dois nomes se destacam: Friedrich D. E. Schleiermacher (1768-1834) e Soren Kierkegaard (1813-1855). O subjetivismo é a ideia de que o conhecimento é fruto da experiência individual ou de que o bem supremo decorre de uma experiência ou sentimento subjetivo. Schleiermacher rejeitava a autoridade da Bíblia e salientava o papel Leia mais…

O relato da criação em Gênesis 1 e Gênesis 2

O relato da criação em Gênesis 1 e Gênesis 2

Gênesis 2 não apresenta, de modo algum, um relato da criação, mas supõe o término da obra criadora de Deus, conforme narrada no capítulo 1. Os três primeiros versículos de Gênesis 2 simplesmente levam a narrativa do capítulo 1 a uma conclusão lógica e irreversível, usando o mesmo vocabulário e estilo empregado no capítulo anterior. Mostra o trabalho completo da criação e estabelece a santidade especial do sétimo dia como símbolo e memorial da obra criadora de Deus. A seguir, Leia mais…

O Obelisco Negro de Salmaneser III — Retrato de um rei israelita

O Obelisco Negro de Salmaneser III — Retrato de um rei israelita

Uma das mais excitantes descobertas já feitas em arqueologia bíblica foi uma enorme pedra negra extraída de um buraco cavado na antiga cidade assíria de Calah (moderna Ninrode) em 1845. Esta pedra, porém, quase não foi desenterrada. O arqueólogo inglês Henry Layard havia sido aconselhado por seus trabalhadores a desistir e fechar o buraco. Era inverno, o chão estava extremamente frio e duro, e o difícil trabalho de cavar valas para descobrir artefatos havia provado ser inútil. Layard Leia mais…