O Obelisco Negro de Salmaneser III — Retrato de um rei israelita


Uma das mais excitantes descobertas já feitas em arqueologia bíblica foi uma enorme pedra negra extraída de um buraco cavado na antiga cidade assíria de Calah (moderna Ninrode) em 1845. Esta pedra, porém, quase não foi desenterrada. O arqueólogo inglês Henry Layard havia sido aconselhado por seus trabalhadores a desistir e fechar o buraco. Era inverno, o chão estava extremamente frio e duro, e o difícil trabalho de cavar valas para descobrir artefatos havia provado ser inútil. Layard não queria desistir, mas se comprometeu a pedir a seus homens que trabalhassem por somente mais um dia.

Eles não tiveram que esperar tanto! Quase imediatamente depois que os homens reassumiram o trabalho eles bateram numa enorme pedra, que agora sabemos ser um dos mais importantes documentos assírios relacionados ao Antigo Testamento. A pedra era um bloco de calcário polido com quatro lados (obelisco) medindo 2 metros. Em cada lado do obelisco estavam esculpidos cinco registros de esculturas em relevo demonstrando várias cenas de tributos sendo trazidos à corte assíria. Além disso, acima e abaixo dos painéis em todos os lados havia quase 200 linhas de texto cuneiforme. Logo que o texto cuneiforme foi traduzido descobriu-se que ele catalogava 31 campanhas militares do monarca assírio Salmaneser III.

As esculturas em relevo detalhadas de tributo e pagadores de tributos mostravam belamente muitos estilos diferentes de roupa, artigos caros e até animais exóticos para o zoológico assírio. Todavia, a grande surpresa foi que as linhas acima de um registro que mostrava uma figura de joelhos diante do rei da Assíria foi traduzida: Tributo de Jeú, filho de Onri. Prata, ouro, vasos de prata, taças de ouro, cálices de ouro, caixas com ouro, recipientes, cetros para a mão do rei [e] dardos, [Salmaneser] recebeu dele. Aqui, pela primeira vez em qualquer artefato arqueológico, estava um retrato de um dos reis de Israel!

De acordo com a Bíblia (2 Rs 9-10; 2 Cr 22.7-9), Jeú, um comandante no exército do rei Jorão, foi “escolhido pelo Senhor” para suceder o trono israelita. Instruído pelo profeta Eliseu para matar Jorão, ele tornou-se o governante de Israel de 841-814 a.C. Ele serviu como instrumento final de Deus contra a casa do ímpio rei Acabe (incluindo a infame rainha Jezabel), e erradicou da terra o culto idólatra a Baal. No relato bíblico, porém, não há menção do rei Jeú pagando tributo à Assíria como descrito no obelisco. A Bíblia fala realmente que Jeú, quase ao final de seus 28 anos de reinado, foi relapso na responsabilidade real de manter a lei de Deus (2 Rs 10.31) e, ao invés disso, seguiu novamente o culto henoteísta instituído por Jeroboão (veja 1 Rs 12.28-29).

Por causa disso, o Senhor removeu a proteção de Israel e inimigos estrangeiros começaram a invadir e conquistar partes da terra (2 Rs 10.32-33). A fraqueza de Israel neste ponto pode ter influenciado Jeú a buscar a proteção da Assíria. Uma vez que a hegemonia assíria foi imposta, Israel teria sido sujeito a pagar tributo (cf. 2 Rs 17.3). Se foi este o caso, o obelisco preenche uma parte que faltava da história não incluída no texto bíblico.

Arqueologia- Livro: Arqueologia Bíblia-

Autor: Randall Price,

Editora: CPAD

Pags: 59-62

.: AGREGUE CONHECIMENTO E COMENTE ABAIXO .: