Versículos bíblicos sobre julgar e fazer julgamentos.

Versículos bíblicos sobre julgar e fazer julgamentos.

Portanto, deixemos de julgar uns aos outros. Em vez disso, façamos o propósito de não colocar pedra de tropeço ou obstáculo no caminho do irmão. (Romanos: 14.13) Introdução: A Palavra de Deus diz para não julgar o nosso próximo. Entretanto, somos rápidos no gatilho em fazer isso. Julgamos a todo o instante, esquecendo que a Bíblia diz que seremos julgados na mesma medida que julgamos os outros. Sendo assim, com vistas a provocar uma reflexão sobre esse assunto, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema. Versículos sobre julgar no Antigo Testamento: Não se envolva em falsas acusações nem condene à morte o inocente e o justo, porque não absolverei o culpado. (Êxodo: 23.7) O Senhor reina para sempre, estabeleceu o seu trono para julgar. (Salmos: 9.7) Ele mesmo julga o mundo com justiça; governa os povos com retidão. (Salmos: 9.8) Versículos sobre julgar nos Evangelhos: Não julguem apenas pela aparência, mas façam julgamentos justos”. (João: 7.24) “Não julguem, para que vocês não sejam julgados”. (Mateus: 7.1) Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês. (Mateus: 7.2) Não julguem, e vocês não serão julgados. Não condenem, e não serão condenados. Perdoem, e serão perdoados. (Lucas: 6.37) Vocês julgam por padrões humanos, eu não julgo ninguém. (João: 8.15) Mesmo que eu julgue, as minhas decisões são verdadeiras, porque não estou sozinho. Eu estou com o Pai, que me enviou. (João: 8.16) Pois, da mesma forma como o Pai tem vida em si mesmo, ele concedeu ao Filho ter vida em si mesmo. (João: 5.26) E deu-lhe autoridade para julgar, porque é o Filho do homem. (João: 5.27) Não julguem apenas pela aparência, mas façam julgamentos justos. (João: 7.24) Versículos sobre julgar nas Cartas de Paulo: Portanto, você, que julga, os outros é indesculpável, pois está condenando a si mesmo naquilo em que julga, visto que você, que julga, pratica as mesmas coisas. (Romanos: 2.1) Todo aquele que pecar sem a lei, sem a lei também perecerá, e todo aquele que pecar sob a lei, pela lei será julgado. (Romanos: 2.12) Se algum de vocês tem queixa contra outro irmão, como ousa apresentar a causa para ser julgada pelos ímpios, em vez de levá-la aos santos? (1 Coríntios: 6.1) Vocês não sabem que os santos hão de julgar o mundo? Se vocês hão de julgar o mundo, acaso não são capazes de julgar as causas de menor importância? (1 Coríntios: 6.2) Vocês não sabem que haveremos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas desta vida! (1 Coríntios: 6.3) Portanto, se vocês têm questões relativas às coisas desta vida, designem para juízes os que são da igreja, mesmo que sejam os menos importantes. (1 Coríntios: 6.4) Digo isso para envergonhá-los. Acaso não há entre vocês alguém suficientemente sábio para julgar uma causa entre irmãos? (1 Coríntios: 6.5) Isso acontecerá no dia em que Deus julgar os segredos dos homens, mediante Jesus Cristo, conforme o declara o meu evangelho. (Romanos: 2.16) Continue lendo

A interpretação bíblica – ontem e hoje

A interpretação bíblica – ontem e hoje

A interpretação judaica Esdras e os escribas Quando os judeus retomaram do exílio na Babilônia, tudo indica que falavam aramaico, e não hebraico. Consequentemente, quando Esdras, o escriba (Ne 8.1, 4, 13; 12.36), leu a lei (Ne 8.3), os levitas vv . 7-9) tiveram de traduzir do hebraico para o aramaico. Talvez seja este o sentido de “claramente” (v. 8). O termo hebraico paras significa “tomar claro” ou “interpretar”, e provavelmente o sentido aqui é “traduzir”. Além disso, os levitas “expunham o significado” enquanto circulavam entre o povo, ou seja, explicavam, interpretavam a lei “de maneira que entendessem o que se lia” (v. 8). Desde Esdras até Cristo, os escribas não só ensinavam as Escrituras, mas também as copiavam. Eles tinham grande reverência pelos textos do Antigo Testamento, mas essa veneração logo caiu no exagero. Por exemplo, o Rabino Akiba (507-132 d.C.), líder de uma escola para rabinos em Jaffa, na Palestina, “afirmava que toda repetição, figura, paralelismo, sinonímia, palavra, letra, partícula, pleonasmo e, ainda mais, a própria forma de uma letra possuíam um significado oculto, assim como cada fibra da asa de uma mosca ou da perna de uma formiga tem sua importância curiosa”. Akiba ensinava que “assim como o martelo que trabalha ao fogo provoca muitas fagulhas, cada versículo das Escrituras possui muitas explicações”. Ele asseverava que cada monossílabo do texto bíblico tinha vários significados.Havendo um “e” ou um “também” a mais, ou ainda uma flexão, sempre devem merecer interpretação especial. Se 2 Reis 2.14 diz que Eliseu “Também […] bateu nas águas” [PIB], é sinal de que Eliseu fez mais milagres no Jordão do que Elias. Quando Davi afirma “o teu servo matou também o leão, também o urso”, o significado (pela regra de inclusão sobre inclusão) é que ele tinha matado pelo menos três animais. Quando se lê que Deus visitou Sara, isso quer dizer que […] ele [também] visitou outras mulheres estéreis. Hillel e Shammai O Rabino Hillel (70 a.C.?-10 d.C.?) foi um líder proeminente entre os judeus da Palestina. Nascido na Babilônia, fundou uma escola em Jerusalém que levou seu nome. Ele era conhecido por sua humildade e seu amor. Hillel dividiu em seis tópicos as diversas regras que se desenvolveram entre os judeus acerca dos 613 mandamentos da lei mosaica. Estabeleceu ainda sete regras para a interpretação do Antigo Testamento. Wood faz a seguinte síntese dessas regras: A primeira está associada a inferências do menos para o mais importante e vice-versa. A segunda é a inferência por analogia. A terceira é a “formação de uma família”, isto é, quando um grupo de passagens possui conteúdos semelhantes, considera-se que tal grupo tenha a mesma natureza, oriunda do sentido da passagem principal do grupo. Assim sendo, pode-se interpretar o que está difícil de perceber nas passagens levando-se em consideração o trecho principal. A quarta é como a terceira, limitada porém a duas passagens. A quinta regra baseia-se numa relação entre o genérico e o específico. A sexta era a exposição com base em outra passagem Continue lendo

Versículos bíblicos sobre o futuro que vai chegar

Versículos bíblicos sobre o futuro que vai chegar

Considere o íntegro, observe o justo, há futuro para o homem de paz. (Salmos: 37.37) Introdução: O futuro é uma incógnita para o todo o ser humano. Ninguém sabe o que está por vir, o que o destino lhe reserva. Ou seja, o homem não tem controle sobre aquilo que irá lhe acontecer. Muito embora ele possa fazer algum planejamento, ele não tem a menor noção daquilo que o espera. Entretanto, apesar de tantas incertezas, nós, cristãos, sabemos que Deus está no controle de tudo. Essa é a nossa esperança, de saber que temos a quem recorrer e termos convicção da sua Volta. Em vista disso, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema: “futuro”. Versículos sobre o futuro no Antigo Testamento: “Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês”, diz o Senhor, “planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro”. (Jeremias: 29.11) Visto que ninguém conhece o futuro. Quem lhe poderá dizer o que vai acontecer? (Eclesiastes: 8.7) O seu começo parecerá modesto, mas o seu futuro será de grande prosperidade. (Jó: 8.7) O meu futuro está nas tuas mãos, livra-me dos meus inimigos e daqueles que me perseguem. (Salmos: 31.15) Mas todos os rebeldes serão destruídos, futuro para os ímpios, nunca haverá. (Salmos: 37.38) Saiba que a sabedoria também será boa para a sua alma, se você a encontrar, certamente haverá futuro para você, e a sua esperança não vai decepcioná-lo. (Provérbios: 24.14) Eu sei, Senhor, que não está na mão do homem o seu futuro, não compete ao homem dirigir os seus passos. (Jeremias: 10.23) Quando os dias forem bons, aproveite-os bem, mas, quando forem ruins, considere: Deus fez tanto um quanto o outro, para evitar que o homem descubra qualquer coisa sobre o seu futuro. (Eclesiastes: 7.14) Desde o início faço conhecido o fim, desde tempos remotos, o que ainda virá. Digo: Meu propósito ficará de pé e farei tudo o que me agrada. (Isaías: 46.10) Versículos sobre o futuro nos Evangelhos: Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal. (Mateus: 6.34) Versículos sobre o futuro nas Cartas de Paulo: Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante. (Filipenses: 3.13) Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus. (Filipenses: 3.14) Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. (Romanos: 8.28) O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. (1 Timóteo: 4.1) Versículos sobre o futuro nas Cartas Gerais: Ouçam agora, vocês que dizem: “Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro”. Continue lendo

O esvaziamento de Cristo

O esvaziamento de Cristo

Enquanto João enxerga em Jesus o Logos que se faz carne, Paulo enxerga em Jesus a forma divina que se esvazia. A ekénosen do verbo kenósis (esvaziar) forma a base da cristologia paulina: “Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz” (Fp 2.6-8; cf. Rm 15.3; 2 Co 8.9). Esse esvaziamento é visto, pelo menos, de duas maneiras: na primeira, quando Emanuel se fez homem (Is 7.14), Ele abdicou completamente de Sua divindade, deixando de ser Deus e de agir como Deus – pelo menos durante o Seu tempo de vida na terra -, fazendo tudo o que fez pela fé. A segunda maneira de ver o esvaziamento de Jesus é entendendo que, não obstante, Ele abdicou das regalias do céu por um tempo, mas continuava sendo Deus, agindo plenamente como Deus e também como homem, fazendo uso de Suas prerrogativas divinas conforme lhe convinham. As teorias kenósticas levantam ainda outras questões de difícil explicação, como, por exemplo, o fato de que a transmutação de Deus em homem “subverte completamente a doutrina da imutabilidade de Deus claramente ensinada nas Escrituras (Ml 3.6; Tg 1.17) e também implícita na própria ideia de Deus. O absoluto e o mutável são mutuamente exclusivos; e um Deus mutável certamente não é o Deus da Escritura”, conforme menciona Louis Berkhof ao explicar algumas teorias kenósticas. É possível encontrar em Jesus tanto características completamente humanas como sentimentos de fome, sede, cansaço, sono, ira, alegria, tristeza, tentação e dor; é possível também encontrar nele características absolutamente divinas, como: saber o que as pessoas pensavam, perdoar pecados, exercer poder sobre enfermidades e sobre a natureza, trazer mortos à vida, falar de Sua intimidade com Deus, abalar a terra no instante da Sua morte, ressuscitar e subir ao céu à vista de mais de 500 pessoas. As fragilidades humanas e os poderes divinos eram vistos nele, não como coisas separadas, mas simultâneas. A certeza de ser quem era não o intimidava em alguma circunstância. Enquanto não convinha morrer, Ele se preservava quanto aos títulos que lhe pertenciam, evitando ser identificado como Messias e como o Filho de Deus; mas, quando chegou Sua hora, não havia mais razão para guardar segredos. A convicção de quem Ele era e a conveniência de não se manifestar expressamente aos que o odiavam conviviam em uma só pessoa. Tais segredos, entretanto, não existiam entre Ele e os Seus discípulos. Ambos, o homem Jesus e o Emanuel, coabitavam no mesmo corpo: “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Cl 2.9). O destaque das duas naturezas de Jesus, a humana e a divina, é notório nos Sinóticos de um lado e no Evangelho de João de outro. Os Sinóticos destacam a humanidade de Jesus, mas não escondem a Sua divindade; João destaca a divindade de Continue lendo

Versículos de restauração para a vida do crente

Versículos de restauração para a vida do crente

Todavia, trarei restauração e cura para ela, curarei o meu povo e lhe darei muita prosperidade e segurança. (Jeremias: 33.6) Introdução: Você acredita que Deus pode promover uma restauração total na sua vida? Não tenha dúvida! Deus pode e quer restaurar tudo aquilo que se encontra destruído na sua existência. Entretanto, tem um detalhe básico e fundamental, você, também, precisa querer. E não bastar ficar somente na vontade, é preciso tomar a maior decisão da sua história. Permitir que Jesus tome conta da sua vida, aceitá-lo como Salvador e Senhor. A partir desse momento, Ele irá restaurar tudo o que se encontra perdido. Creia nisso. Sendo assim, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema: “restauração”. Esperamos que você goste: Versículos de restauração no Antigo Testamento: Restaura-nos, ó Deus! Faze resplandecer sobre nós o teu rosto, para que sejamos salvos. (Salmos: 80.3) Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranquilas. (Salmos: 23.2) Restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome. (Salmos: 23.3) Restaura-nos mais uma vez, ó Deus, nosso Salvador, e desfaze o teu furor para conosco. (Salmos: 85.4) Ficarás indignado conosco para sempre? Prolongarás a tua ira por todas as gerações? (Salmos: 85.5) Acaso não nos renovarás a vida, a fim de que o teu povo se alegre em ti? (Salmos: 85.6) Mostra-nos o teu amor, ó Senhor, e concede-nos a tua salvação! (Salmos: 85.7) Voltem à sua fortaleza, ó prisioneiros da esperança, pois hoje mesmo anuncio que restaurarei tudo em dobro para vocês. (Zacarias: 9.12) Depois que Jó orou por seus amigos, o Senhor o tornou novamente próspero e lhe deu em dobro tudo o que tinha antes. (Jó: 42.10) Mais versículos de restauração no Antigo Testamento: Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês”, diz o Senhor, “planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro”. (Jeremias: 29.11) Em lugar da vergonha que sofreu, o meu povo receberá porção dupla, e ao invés da humilhação, ele se regozijará em sua herança; pois herdará porção dupla em sua terra, e terá alegria eterna. (Isaías: 61.7) Farei cicatrizar o seu ferimento e curarei as suas feridas’, declara o Senhor, ‘porque a você, Sião, chamam de rejeitada, aquela por quem ninguém se importa’. (Jeremias: 30.17) Senhor, restaura-nos, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto. (Salmos: 126.4) Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. (Salmos: 126.5) Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes. (Salmos: 126.6) Versículos de restauração nos Evangelhos: O sal é bom, mas se ele perder o sabor, como restaurá-lo? (Lucas: 14.34) Não serve nem para o solo nem para adubo; é jogado fora. “Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça. (Lucas: 14.35) Então, olhou para todos os que estavam à sua volta e disse ao homem: “Estenda a mão”. Ele a estendeu, e ela foi restaurada. (Lucas: 6.10) Busquem, pois, em primeiro lugar Continue lendo

O sentido de “logos”.

O sentido de “logos”.

O vocábulo grego logos pode.ser traduzido por “razão”, “palavra” ou “discurso”. É empregado no prólogo do quarto evangelho como uma designação do Filho, que é a revelação do Pai.15 Muitos comentadores sustentam que essa palavra também é um título descritivo do Filho eterno no prefácio da primeira epístola. Assim, Moffatt translitera a palavra grega para o inglês e cunha a expressão “Logos da Vida”. Certamente se pode traçar um paralelo entre o evangelho e a epístola, embora o prólogo seja consideravelmente mais longo e mais elaborado do que o prefácio. Ambos começam com uma referência ao princípio (vs. 1, 2,; v. 1); ambos falam do Logos em conexão com o Pai e com a vida (vs. 1,4; vs. 1,2); ambos declaram que o Eterno penetrou a história (vs. 1, 2,; v. 1); ambos falam dos Logos em conexão com o Pai e com a vista pelos homens (vs. 14, 18; vs. 1, 2, 3); ambos mencionam o testemunho resultante do que os homens viram (vs. 7, 8, 15; v. 2); ambos falam de Cristo como o Filho do Pai (vs. 14, 18; v. 3); ambos descrevem o resultado da resposta positiva a Cristo em termos de uma nova relação com Deus (vs. 12, 13; v. 3). Contudo, pode-se exagerar a semelhança entre as duas passagens. A seqüência geral do pensamento é a mesma, e ocorrem ecos verbais, mas Westcott está certo ao dizer que “as duas passagens são complementares e não paralelas”. É preciso mencionar duas diferenças: Em primeiro lugar, no prólogo, “o Verbo” é usado de modo absoluto quatro vezes (três vezes no vers. 1 e uma no 14), ao passo que no prefácio a frase é o “Verbo da vida”. Em segundo lugar, o parêntese que se segue imediatamente ao emprego desta expressão (v. 2) esclarece que, na mente do autor, a ênfase não está em “Verbo” mas em “vida”, pois a palavra logos não é empregada de novo no prefácio, ou, na verdade, na epístola toda, ao passo que “vida” vem repetida duas vezes no versículo 2 e mais cinco vezes no restante da epístola (2:25; 3:14; 5:11; 12,20). É significativo que o que o autor escreve não é “com respeito ao Verbo da vida — e o Verbo se fez carne” mas “com respeito ao Verbo da vida — e a vida se manifestou”. O que ele quer dizer com, “a vida eterna, a qual estava com o Pai”, está claro: é a manifesta personificação do Filho. Não pode ser outra coisa porque a expressão, “com o Pai” (pros ton Patera) implica em comunhão pessoal. Além disso, tanto o evangelho como a epístola declaram, não só que a vida está em Cristo (Jo 1:4; 1 Jo 5:11, 12), mas que Ele próprio é a Vida (Jo 11:25; 14:6; cf. 5:26; 1 Jo 5:20). É a Vida, diz ele, que estava eternamente em comunhão com o Pai e se nos manifestou historicamente, que nós anunciamos. Agora, o que se afirma resumidamente no versículo 2 como o tema da Continue lendo

Versículos bíblicos sobre sonhos na palavra de Deus

Versículos bíblicos sobre sonhos na palavra de Deus

Porque, da muita ocupação vêm os sonhos e a voz do tolo da multidão das palavras. (Eclesiastes: 5.3) Introdução: Deus fala com o seu povo através de sonhos, isto se comprova por diversas passagens constantes na Palavra de Deus. Porém, isso não quer dizer que todas as vezes que sonhamos, Deus está falando. Existem aqueles que sonhos que partem do coração do homem, que, por vezes, não estão dentro dos planos de Deus. Versículos sobre sonhos no Antigo Testamento: Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece é o propósito do Senhor. (Provérbios: 19.21) Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos. (Provérbios: 16.3) Porque, como na multidão dos sonhos há vaidades, assim também nas muitas palavras, mas tu temes a Deus. (Eclesiastes: 5.7) Porque os ídolos têm falado vaidade, e os adivinhos têm visto mentira, e contam sonhos falsos, com vaidade consolam, por isso seguem o seu caminho como ovelhas, estão aflitos, porque não há pastor. (Zacarias: 10.2) E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. (Joel: 2.28) Mais versículos sobre sonhos no Antigo Testamento: No primeiro ano de Belsazar, rei de babilônia, teve Daniel um sonho e visões da sua cabeça quando estava na sua cama, escreveu logo o sonho, e relatou a suma das coisas. (Daniel: 7.1) O profeta que tem um sonho conte o sonho e aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? diz o Senhor. (Jeremias: 23.28) Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, e os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e não trouxeram proveito algum a este povo, diz o Senhor. (Jeremias: 23.32) E disse: Ouvi agora as minhas palavras, se entre vós houver profeta, eu, o Senhor, em visão a ele me farei conhecer, ou em sonhos falarei com ele. (Números: 12.6) O faraó disse a José: “Tive um sonho que ninguém consegue interpretar. Mas ouvi falar que você, ao ouvir um sonho, é capaz de interpretá-lo”. (Gênesis: 41.15) Respondeu-lhe José: “Isso não depende de mim, mas Deus dará ao faraó uma resposta favorável”. (Gênesis: 41.16) Se aparecer entre vocês um profeta ou alguém que faz predições por meio de sonhos e lhes anunciar um sinal miraculoso ou um prodígio. (Deuteronômio: 13.1) E se o sinal ou prodígio de que ele falou acontecer, e ele disser: “Vamos seguir outros deuses que vocês não conhecem e vamos adorá-los”. (Deuteronômio: 13.2) Outros versículos sobre o tema no Antigo Testamento: Não deem ouvidos às palavras daquele profeta ou sonhador. O Senhor, o seu Deus, está pondo vocês à prova para ver se o amam de todo o coração e de toda a alma. (Deuteronômio: 13.3) Continue lendo

A Igreja no Antigo Testamento

A Igreja no Antigo Testamento

Não há qualquer declaração formal acerca da Igreja no Antigo Testamento, embora muitos intérpretes encontrem certas passagens que talvez sugiram algumas profecias a respeito dela. O livro de Cantares de Salomão, que é uma declaração de amor, é usado por muitos como uma metáfora do relacionamento entre Jesus (Noivo) e Sua Noiva (a Igreja). Em busca de alguma declaração do Antigo Testamento sobre a Igreja, Culver diz: É inútil procurar no Antigo Testamento predições explícitas da formação de um corpo ou Noiva de Cristo com as feições especiais que estaremos examinando. Mas, como podemos ver agora, da nossa perspectiva, há vislumbres cujos cumprimentos ocorrem na igreja. O mais importante deles, sem dúvida, é a promessa a Abraão quando recebeu seu primeiro chamado: “E abençoarei os que o abençoarem (…) e em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gn 12.3). 1 Deus sempre mostrou interesse em estender Sua graça salvadora a outros povos (2 Cr 6.32,33; SI 67.1-4; Is 56.6-8). Na sinagoga de Antioquia da Pisídia, logo no início da primeira viagem missionária, Paulo cita o profeta Isaías 49.6: “Porque o Senhor assim no-lo mandou: Eu te pus para luz dos gentios, para que sejas de salvação até aos confins da terra” (At 13.47). Há algumas aplicações do termo ekklesia no Antigo Testamento referindo-se a “assembléia” ou a “congregação”, conforme o discurso de Estêvão: “Este é o que esteve entre a congregação no deserto, com o anjo que lhe falava no monte Sinai, e com nossos pais, o qual recebeu as palavras de vida para no-las dar” (At 7.38). No livro dos Salmos, o termo “congregação” (SI 22.22,25) é citado pelo autor de Hebreus: “Dizendo: Anunciarei o teu nome a meus irmãos, cantar-te-ei louvores no meio da congregação” (ekklesia) (Hb 2.12). Paulo fala do “mistério que esteve oculto desde todos os séculos e em todas as gerações (…)” (Cl 1.26). Geralmente, os intérpretes entendem que esse versículo diz respeito à Igreja; outros identificam esse “mistério” como o evangelho (Ef 3.8-10). Apesar de a Igreja não ser revelada objetivamente como tal nas Escrituras do Antigo Testamento, não é novidade que os gentios seriam alcançados, e Paulo identifica textos que trazem essas informações: “Os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios? Como também diz em Oseias: Chamarei meu povo ao que não era meu povo; e amada, à que não era amada. E sucederá que no lugar em que lhes foi dito: Vós não sois meu povo, aí serão chamados filhos do Deus vivo” (Rm 9.24-26). “Que diremos, pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé” (Rm 9.30). Prossegue o apóstolo no capítulo seguinte: “Mas digo: Porventura, Israel não o soube? Primeiramente, diz Moisés: Eu vos meterei em ciúmes com aqueles que não são povo, com gente insensata vos provocarei à ira. E Isaías ousadamente diz: Fui achado pelos que me não buscavam, fui manifestado aos que por mim não Continue lendo

Versículos bíblicos sobre o tempo de Deus

Versículos bíblicos sobre o tempo de Deus

Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei. (Gálatas: 4.4) Introdução: Esperar o tempo de Deus não é fácil para ninguém, pelo contrário é muito difícil. Porém é necessário, porque não sabemos os planos que o Senhor tem para cada um de nós. Por conta dessa nossa impaciência, muitas vezes nos precipitamos e tomamos decisões completamente contra a Sua vontade. Decisões estas, que nos levam a consequências inimagináveis, simplesmente porque não sabemos de nada. Sendo assim, esperar o “tempo de Deus”, é básico em nosso relacionamento com Deus. Por conta disso, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema: “tempo de Deus”. Versículos sobre o tempo de Deus no Antigo Testamento: Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias, correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam. (Isaías: 40.31) Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. (Eclesiastes: 3.1) Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade, mesmo assim, este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez. (Eclesiastes: 3.11) O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam. (Lamentações: 3.25) Pois a visão aguarda um tempo designado, ela fala do fim e não falhará. Ainda que se demore, espere-a, porque ela certamente virá e não se atrasará. (Habacuque: 2.3) Mais versículos sobre o tempo de Deus no Antigo Testamento: Pois há uma hora certa e, também, uma maneira certa de agir para cada situação. O sofrimento de um homem, no entanto, pesa muito sobre ele. (Eclesiastes: 8.6) De fato, mil anos para ti são como o dia de ontem que passou, como as horas da noite. (Salmos: 90.4) O meu futuro está nas tuas mãos, livra-me dos meus inimigos e daqueles que me perseguem. (Salmos: 31.15) Sara engravidou e deu um filho a Abraão em sua velhice, na época fixada por Deus em sua promessa. (Gênesis: 21.2) Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor. (Salmos: 27.14) Versículos sobre o tema em Atos dos Apóstolos: Ele lhes respondeu: “Não lhes compete saber os tempos ou as datas que o Pai estabeleceu pela sua própria autoridade”. (Atos: 1.7) Versículos sobre o tempo de Deus nas Cartas de Paulo: E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. (Gálatas: 6.9) “Boa leitura: Versículos bíblicos sobre a paz que vem de Deus”. Versículos sobre o tempo de Deus nas Cartas Gerais: Não se esqueçam disto amados: para o Senhor um dia é como mil anos, e mil anos como um dia. (2 Pedro: 3.8) Queremos que cada um de vocês mostre essa mesma prontidão até o fim, para que tenham a plena certeza da esperança. (Hebreus: 6.11) De modo que vocês não se tornem negligentes, mas imitem aqueles que, por meio da fé e da paciência, recebem a herança prometida. Continue lendo

Fontes da Teologia Sistemática

Fontes da Teologia Sistemática

A teologia cristã é o conjunto de doutrinas que compõem as crenças comuns aos seguidores de Cristo. Tais doutrinas emanam das Escrituras Sagradas em conjunto com a razão, a tradição e a mística (experiência). As Escrituras Não se pode fazer teologia senão com base nas Escrituras Sagradas. Essa é a posição da Igreja cristã a partir da Reforma Protestante. Lutero defendia a tese de Sola Escriptura (a Bíblia é a única regra de fé e conduta para o cristão). Ao longo da história, a Igreja Católica Romana criou dogmas (crenças tidas como certas e absolutas), abandonando gradualmente a utilização das Escrituras Sagradas; isso a distanciou das verdades fundamentais ensinadas pelos apóstolos de Jesus. Qualquer assunto de ordem doutrinária que não leva em consideração as declarações bíblicas deve ser tachado como herético, pois parte de fonte humana e ninguém tem autoridade para isso. As Escrituras (e somente elas) têm autoridade para fornecer as informações necessárias sobre os temas da doutrina cristã. A Razão Deus nos fez seres racionais, e esse é um dos aspectos que nos torna semelhantes a Ele (Gn 1.26). Então, é natural que o homem absorva o conhecimento das questões doutrinárias por meio da razão. Apesar disso, muitos buscam, na fé, algo que os faça sentir, mas não se mostram interessados em compreender. É verdade que a fé inclui também as emoções, mas não se estriba nelas. “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas” (Jr 17.9). Por outro lado, somos exortados a usar a razão para darmos explicação da nossa fé: “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15). A mente humana está sempre ávida por compreender o sagrado e nunca está satisfeita com o que sabe, sempre quer mais. Essa sede por compreender é saudável à medida que coloca o homem no caminho do aprendizado; porém, torna-se perigosa quando entra pelo caminho da especulação. Por exemplo, o homem pode ter conhecimento dos atributos de Deus, mas não pode compreender Sua mente. Não temos capacidade para entender a relação entre a onisciência divina (pela qual Ele sabe sobre tragédias futuras) e a Sua bondade (por intermédio da qual poderia evitar tais tragédias). Um assunto não tira o lugar do outro. Deus não pode ser comparado ao homem que ou é uma coisa ou é outra – ou pode uma coisa ou pode somente outra. “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55.8,9). Desse modo, cabe ressaltar que a razão deve trabalhar no sentido de elaborar a doutrina a partir da revelação (as Escrituras Sagradas) em conjunto com a revelação natural, Continue lendo

Versículos bíblicos sobre transformação de vida

Versículos bíblicos sobre transformação de vida

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Romanos: 12.2) Introdução: Todos nós ansiamos por uma transformação em nossas vidas. Entretanto, o que não percebemos é que ela é possível, está a nosso dispor. Porém, para que isso aconteça, é necessário que tomemos a maior decisão de nossas vidas. A decisão de aceitar Jesus como Salvador e Senhor. A partir desse ato, passaremos a viver um novo tempo, perto do Senhor. A decisão é de cada um de nós, o Senhor não fará isso por nós, mas a Sua promessa sempre estará de pé. Sendo assim, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema: “transformação”. Versículos bíblicos de transformação de vida no Antigo Testamento: Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável. (Salmos: 51.10) Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito. (Salmos: 51.11) Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer. (Salmos: 51.12) Versículos sobre transformação nos Evangelhos: Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus”. (Mateus: 5.16) Versículos bíblicos sobre o tema em Atos dos Apóstolos: Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. (Atos: 1.8) Versículos de transformação de vida nas Cartas de Paulo: E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito. (2 Coríntios: 3.18) Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados. (1 Coríntios: 15.51) Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta, porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. (1 Coríntios: 15.52) Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. (2 Coríntios: 3.18) Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. (Efésios: 4.29) Não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo. (Tito: 3.5) Versículos de transformação de vida nas Cartas Gerais: Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 João: 1.9) Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois Continue lendo

Antropologia Teológica

Antropologia Teológica

Antropologia é o estudo ou a ciência do homem. Estudá-la na perspectiva teológica não é o mesmo que estudá-la na perspectiva científica. O estudo antropológico no campo das ciências ignora completamente tudo o que a Bíblia diz sobre o homem, a começar pela sua origem. Para as ciências biológicas e humanas o homem é visto como uma animal racional que vive em sociedade. Para a antropologia bíblico-teológica o homem é um ser criado por Deus, possuindo características que o tornam semelhante ao seu Criador tendo, portanto, uma conduta que requer dele prestação de contas por seus atos. Enquanto, para as ciências, a religiosidade inerente do homem é mero reflexo das suas emoções, para a antropologia teológica ela é sintomática, porque espelha uma relação existente desde o homem primevo com o Criador, a qual não pode ser ignorada. Enquanto a antropologia extrabíblica não vê nenhum propósito na existência humana, a antropologia teológica compreende haver uma razão altamente relevante: a glória de Deus. Para a antropologia extrabíblica, o homem, os animais e a vida, em si, são mero fruto do acaso; para a antropologia teológica, o que é, não poderia não ser, porque cumpre propósitos eternos nos planos supremos de Deus, conforme se depreende da revelação que se espraia por toda a Bíblia. O que há de comum entre a antropologia como ciência e a antropologia teológica é que ambas se ocupam em entender quem é o homem e o que ele faz. No campo das ciências, a biologia está interessada em estudar o homem geneticamente e compará-lo às demais espécies animais; a psicologia está interessada em conhecê-lo em sua conduta relacional; a sociologia está interessada em conhecê-lo na sua história, desenvolvimento cultural, tecnológico e social nos diferentes grupos étnicos. No campo teológico, a antropologia está interessada em estudar o ser criado à imagem e semelhança de Deus, seu tempo de pureza moral, sua queda pelo pecado, seu comportamento depois de caído e seu interesse em buscar ou não a Deus e recuperar seu antigo status perdido no jardim do Éden. A antropologia teológica ocupa-se de estudar o homem não apenas como ser humano, mas como um ser eterno; sua grandeza em relação ao universo a ponto de haver mobilizado o Céu, quando o Criador enviou Seu Filho Unigênito à Terra para ter com o homem e se apresentar a ele como alguém capaz de recuperá-lo à condição original, perdida no Éden, assim que desobedecera a Deus. Não obstantes as diferenças encontradas nos pressupostos das ciências e os da Bíblia, não podemos e não devemos menosprezar as ciências, porque os cientistas são ministros de Deus em favor da terra e dos homens. As discordâncias que há em relação à origem e a queda do homem, decorrem de fatores de razão e de fé, para os quais, os que se atêm à revelação bíblica, o entendimento sobre o homem toma um rumo que não pode ser explicado, de começo ao fim, senão pelas Escrituras Sagradas. E, uma vez que se toma esse caminho Continue lendo