Versículos bíblicos de consolo

Versículos bíblicos de consolo

Como alguém a quem consola sua mãe, assim eu vos consolarei e em Jerusalém vós sereis consolados.(Isaías: 66.13) Muitas vezes nos sentimos sozinhos e achamos que estamos abandonados. Pensamos até, que Deus se esqueceu de nós. Porém, Deus não esquece de ninguém e a sua Palavra diz que Ele consola os abatidos. Diz, também, que nos consola em toda a tribulação. Promete que, mesmo que estejamos nos vale da sombra da morte, Ele estará conosco. O Senhor é o nosso eterno consolador. Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. (Isaías 4.1) Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus. (2 Coríntios: 1.4) Mas Deus, que consola os abatidos, nos consolou com a vinda de Tito. 2 (Coríntios: 7.6) Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras. (1 Tessalonicenses: 4.18) Depois voltei-me e atentei para todas as opressões que se fazem debaixo do sol, e eis que vi as lágrimas dos que foram oprimidos e dos que não têm consolador, e a força estava do lado dos seus opressores, mas eles não tinham consolador. (Eclesiastes: 4.1) Sirva, pois, a tua benignidade para me consolar, segundo a palavra que deste ao teu servo. (Salmos: 119.76) Mostra-me um sinal para bem, para que o vejam aqueles que me odeiam e se confundam porque tu, Senhor, me ajudaste e me consolaste. (Salmos 86.17) Na multidão dos meus pensamentos, dentro de mim, as tuas consolações recrearam a minha alma. (Salmos: 94.9) Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam. (Salmos: 23.4) Porque no dia da adversidade me esconderá no seu pavilhão, no oculto do seu tabernáculo me esconderá, pôr-me-á sobre uma rocha. (Salmos: 27.5) Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados. (1 Coríntios: 14.31) O qual vos enviei para o mesmo fim, para que saiba do vosso estado e console os vossos corações. (Colossenses: 4.8) Para que os seus corações sejam consolados e estejam unidos em amor, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento do mistério de Deus e Pai e de Cristo. (Colossenses: 2.2) Isto é a minha consolação na minha aflição, porque a tua palavra me dá vida. (Salmos: 119.50) Senhor, pois, é aquele que vai adiante de ti, ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará, não temas, nem te espantes. (Deuteronômio: 31.8) Não te mandei eu? Esforça-te e tem bom ânimo, não temas, nem te espantes, porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares. (Josué: 1.9)

Espiritualidade nos escritos Joaninos

Espiritualidade nos escritos Joaninos

Antes de entrarmos no assunto sobre a espiritualidade nos escritos joaninos veremos primeiramente uma sucinta introdução sobre espiritualidade. Introdução: O que é espiritualidade É difícil ter uma definição específica para o tema espiritualidade, por causa da variedade de sentidos com que é aplicada e por causa das controvérsias dos estudiosos especializados sobre esse tema. Espiritualidade é algo pessoal, a maneira de ver as coisas e vive-las, é uma experiência diária, uma prática que se mostra nas atitudes, é uma vida de serviço para com o próximo, a marca da espiritualidade é o amor que se desdobra em atitudes e ela autentica a presença de Deus. A palavra espiritualidade está baseada na palavra hebraica ruach, esse termo é traduzido por espírito, vento, fôlego, essa palavra nos traz uma ideia de animar uma pessoa, de impulsionar, sustentar, nos leva a refletir que espiritualidade é algo prático e dinâmico. Espiritualidade é a pratica na vida real da fé religiosa de uma pessoa, envolve o que a pessoa crê e como ela exercita essa sua crença na sua vida diária. No livro uma introdução à espiritualidade crista o autor (Aliester E. McGrath, pg 20), traz a seguinte definição “Espiritualidade refere-se à busca por uma vida religiosa autêntica e satisfatória, envolvendo a união de ideias específicas de determinada religião com toda a experiência de vida baseada em e dentro do âmbito dessa religião.” Devido ao materialismo e a crescente valorização aos bens materiais, nos últimos anos tem crescido o interesse pelo estudo geral da espiritualidade. Segundo inúmeras evidências a espiritualidade pessoal tem efeito terapêutico positivo sobre os indivíduos. Esse processo de espiritualidade não é fácil e não ocorre de uma hora para outra é demorado e dura a vida toda, o processo se inicia quando homens e mulheres se lançam no caminho do discipulado com Cristo. A espiritualidade ao longo da história da igreja cristã trouxe benefícios e renovação para o povo de Deus, ela gera pessoas motivadas a buscarem uma vida de transformação e santidade e faz a igreja buscar o fervor que se perdeu durante a caminhada. No cristianismo espiritualidade significa viver um encontro real e pessoal com Jesus Cristo e experimentar sua presença diariamente através das praticas devocionais, diariamente somos supridos quando nos aprofundamos na experiência com Deus. Os ensinos joaninos, mesmo eles tendo sido escritos em épocas diferentes e para situações diferentes, a essência desses ensinos tem uma teologia profunda, rica e transformadora. A espiritualidade, ou vida cristã, é um dos temas centrais das epístolas neotestamentárias, sejam as paulinas, sejam as joaninas. Na primeira epístola de João encontramos um excelente exemplo de ensino sobre a espiritualidade mais tipicamente elaborado de acordo com a tradição judaica, mas em profundo diálogo com a tradição de Cristo, e em contraste com as religiões helênicas, especialmente as de mistério, as religiões de mistério estavam entre as principais concorrentes da fé cristã, pois elas também propunham um caminho de salvação – mas um caminho dualista, baseado na ação humana e não na ação divina. João oferece Continue lendo

Versículos bíblicos sobre a volta de Jesus

Versículos bíblicos sobre a volta de Jesus

Aquele que dá testemunho destas coisas diz: “Sim, venho em breve! ” Amém. Vem, Senhor Jesus!(Apocalipse: (22.20) Introdução: Depois que Jesus ressuscitou dos mortos, Ele ascendeu aos céus. Porém deixou a promessa que voltaria para buscar a sua igreja. Quando isso acontecerá ninguém sabe, é um segredo que somente Deus tem conhecimento. Por isso, a Palavra de Deus alerta a todos os cristãos que estejam preparados, pois Ele virá de surpresa, quando ninguém estiver esperando. Sendo assim, todos os crentes devem viver uma vida digna, íntegra, fazendo o que é certo, enquanto espera a Sua Volta. Versículos sobre a Volta de Jesus nos Evangelhos: Marcos: 13.26-27:Então se verá o Filho do homem vindo nas nuvens com grande poder e glória.E ele enviará os seus anjos e reunirá os seus eleitos dos quatro ventos, dos confins da terra até os confins do céu. Mateus: 24.23-27:Se, então, alguém lhes disser: Vejam, aqui está o Cristo! ou: Ali está ele! não acreditem.Pois aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão grandes sinais e maravilhas para, se possível, enganar até os eleitos.Vejam que eu os avisei antecipadamente.Assim, se alguém lhes disser: Ele está lá, no deserto! não saiam; ou: ‘Ali está ele, dentro da casa! não acreditem.Porque assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra no Ocidente, assim será a vinda do Filho do homem. Mateus: 24.42:Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor. João: 14.1-3:Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus, creiam também em mim.Na casa de meu Pai há muitos aposentos, se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar.E se eu for e lhes preparar lugar, voltarei e os levarei para mim, para que vocês estejam onde eu estiver. Mateus: 24.42:Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor. Mateus: 16.27:Pois o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos e então recompensará a cada um de acordo com o que tenha feito. Lucas: 21.27:Então se verá o Filho do homem vindo numa nuvem com poder e grande glória. Versículos sobre a Volta de Jesus em Atos dos Apóstolos: Atos: 1.11:Que lhes disseram: “Galileus, por que vocês estão olhando para o céu? Este mesmo Jesus, que dentre vocês foi elevado ao céu, voltará da mesma forma como o viram subir”. Versículos sobre a Volta de Jesus nas Cartas de Paulo: 1 Tessalonicenses: 5.23:Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. 1 Coríntios: 1.7-8:De modo que não lhes falta nenhum dom espiritual, enquanto vocês aguardam que o nosso Senhor Jesus Cristo seja revelado.Ele os manterá firmes até o fim, de modo que vocês serão irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Versículos que falam sobre o tema nas Cartas Gerais: Tito: 2.11-13:Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens.Ela nos ensina a renunciar à impiedade e Continue lendo

A conquista de Jericó pode ser encontrada?

A conquista de Jericó pode ser encontrada?

Por que as tentativas de escavar evidência indiscutível da conquista têm fracassado tanto até aqui? Keith Schoville, professor emérito no departamento de Estudos Hebraicos e Semíticos na Universidade de Wisconsin (Madison), oferece uma explicação: Estes são assuntos muito difíceis de asseverar ou corroborar em termos de pesquisa arqueológica. Você simplesmente não tem… um tablete dizendo que os israelitas conquistaram tal e tal lugar em tal e tal data. Esse tipo de coisa não existe. Outra razão para esta dificuldade tem estado implícita em nossa discussão sobre a natureza da conquista em si mesma. Os fatos, como a Bíblia os apresenta, indicam que não há relativamente nenhuma evidência da conquista a encontrar. Maciça destruição física de toda Canaã não foi nem o alvo nem o resultado da conquista. A “proscrição” (sentença de destruição) sob a qual Canaã foi colocada por Deus aplicava-se às populações cananitas dentro de suas cidades, não às cidades em si mesmas (veja]s 6.17,21), exceto por Jericó, Ai e Hazor. Na avaliação de David Merling, a conquista, conforme descrita na Bíblia, não devia deixar evidência suficiente de si mesma. À luz deste entendimento, se nós realmente encontrássemos evidência de uma maciça destruição ao longo da rota da conquista na época em que a Bíblia a coloca (1400 a.C.), isso causaria na verdade maior problema para a Bíblia! Deveríamos, então, procurar tal evidência de algum modo? Eugene Merrill, professor de Antigo Testamento no Dallas Theological Seminary, é de opinião de que tais esforços são inúteis: …a verificabilidade arqueológica da conquista revela-se um exercício em irrelevância. Tudo que alguém poderia esperar é alguma indicação de que ocupantes da terra dizimados foram substituídos por colonizadores étnica e culturalmente diferentes, uma busca que é notoriamente infrutífera. Uma razão para que tal busca fosse uma vez julgada infrutífera é que enquanto tentam achar evidência da substituição ocupacional, os israelitas em seu período de colonização poderiam ter simplesmente adotado a cultura material dos cananitas (Dt 6.10,11). Não tendo ainda desenvolvido sua cultura material distintiva, os israelitas pareciam com os cananitas no registro arqueológico. As cartas de Amarna, constituídas de correspondência entre as cidades-estado cananitas e os oficiais egípcios em Amarna, na verdade revelam que os israelitas eram culturalmente inferiores aos cananitas. Todavia, baseados em escavações e pesquisas mais amplas, nós agora sabemos que os israelitas na verdade evidenciavam apenas uma cultura cerâmica. Esta coleção de cerâmica possibilita que os especialistas façam distinção entre os israelitas e seus vizinhos cananeus. Apesar desta cultura ser datada da imigração e colonização israelitas no final do século XIII a.C. (pelo menos), outros também a tem usado para defender uma data anterior para o êxodo. Por exemplo, as escavações de Manfred Bietak emTell el-Dab’a (Gósen), no Egito, têm revelado um estilo cananeu de cerâmica como aquele que aparece em Canaã. Esta pode ser evidência possível de que os israelitas estiveram uma vez em Gósen, ou de outra forma, que os asiáticos simplesmente entraram nesta região do Delta egípcio. A qualquer custo, a maioria dos críticos eruditos vão dispensar esta Continue lendo

Curso de Liderança Cristã

Curso de Liderança Cristã

Seja você o Líder que Deus quer usar! A liderança cristã exige o crescimento e a adaptação constante. De acordo com a pesquisa feita com milhares de líderes pela Escola de Missões Mundiais do Fuller, os líderes eficientes “mantém uma postura de aluno durante a vida inteira. Nunca param de estudar; lêem livros que aumentam seu conhecimento e ampliam seus horizontes. Assistem cursos para crescer e melhorar suas aptidões ministeriais”. Precisamos de uma liderança que busque Almas em vez de palmas! Em assuntos de importância eterna, a descoberta e a seleção do melhor líder para uma igreja ou uma organização pode ser um trabalho agonizante e paralisador. O desafio tem como foco os importantes passos no processo de seleção e nas características e personalidades que devem ser procuradas em um líder cristão. Quando olhamos o sucesso extraordinário que Jesus atingiu através de homens que ele escolhera, vemos a verdade nesta definição: “Um líder é uma pessoa comum com uma determinação extraordinária em servir”. Descubra mais sobre Liderança Cristã! » Clique Aqui Aprenda também: ✔️ A Liderança Cristã na Atualidade✔️ As Qualificações dos Líderes das Igrejas✔️ Liderança e Influência✔️ Evidências Teológicas da Liderança✔️ Liderança Cristã é uma Obra✔️ Autoridade x Poder✔️ Jesus. Exemplo de Liderança CONHEÇA O CURSO DE LIDERANÇA CRISTÃ Desenvolvendo Líderes Cristãos de Qualidade!

Versículos bíblicos para não desistir

Versículos bíblicos para não desistir

Fui moço e agora sou velho, mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão.(Salmos: 37.25) É muito comum, diante das dificuldades, muitas pessoas desistirem, aliás não desistir é muito mais difícil. Essa é uma atitude completamente desaconselhável e que desagrada a Deus. O cristão deve perseverar, apesar de todas as dificuldades. Deus nunca nos disse que não teríamos aflições, mas prometeu estar sempre conosco. E é nessa promessa que devemos nos ancorar e continuar em frente. Pois o Senhor jamais deixou de cumprir as Suas promessas. Pois o Senhor não rejeitará o seu povo, nem desamparará a sua herança. (Salmos: 94.14) O Senhor está perto de todos os que o invocam, de todos os que o invocam com sinceridade. Realiza os desejos daqueles que o temem, ouve-os gritar por socorro e os salva. (Salmos: 145.18-19) Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. (Romanos: 8.28) O Senhor é refúgio para os oprimidos, uma torre segura na hora da adversidade. Os que conhecem o teu nome confiam em ti, pois tu, Senhor, jamais abandonas os que te buscam. (Salmos: 9.9-10) Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. (Salmos: 126.5) Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes. (Salmos: 125.5-6) Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram, eis que surgiram coisas novas! (2 Coríntios: 5.17) Venham a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados e eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. (Mateus: 11.28-30) Entregue suas preocupações ao Senhor e ele o susterá, jamais permitirá que o justo venha a cair. (Salmos: 55.22) Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 João: 1.9) Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam. (Hebreus: 11.6) O Senhor é bom, um refúgio em tempos de angústia. Ele protege os que nele confiam. (Naum: 1.7) Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve. E se sabemos que ele nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que temos o que dele pedimos. (1 João: 5.14-15) Peçam, e lhes será dado, busquem e encontrarão, batam e a porta lhes será aberta. Pois, todo aquele que pede, recebe, o que busca, encontra e àquele que bate, a porta será aberta. (Mateus: 7.7-8)

Como a Agricultura, Arquitetura e Vestimentas influem na interpretação das passagens bíblicas

Como a Agricultura, Arquitetura e Vestimentas influem na interpretação das passagens bíblicas

Agricultura 1. Que há de tão estranho no fato de Samuel pedir chuva ao Senhor na época da colheita do trigo, em 1 Samuel 12.17? A colheita do trigo acontecia em maio ou junho, assim que começavam os seis meses de estio, que iam de abril até o final de outubro. Se chovesse na estação da seca, ficaria evidente a operação do Senhor. 2. Por que Salmos 1.4 compara os ímpios à palha? Para mostrar que o ímpio não tem segurança. Quando os fazendeiros joeiram o trigo, o vento leva a palha, que é mais leve. Nenhum fazendeiro procura guardar e usar a palha, pois não é útil. Os ímpios, como ela, não têm segurança nem utilidade. 3. Por que Amós chamou as mulheres de Betel de “vacas de Basã” , em Amós 4 .1 ? As vacas de Basã — área fértil a nordeste do mar da Galiléia — eram conhecidas por serem gordas. As mulheres de Betel, à semelhança daquelas vacas, eram ricas e preguiçosas e pouco faziam além de comer e beber. 4. Qual o motivo de o Senhor ter perguntado para Jó, em Jó 39.1: “Sabes tu o tempo em que as cabras monteses têm os filhos…?” As referidas cabras escondem-se nas montanhas quando vão parir. Alguns naturalistas já tentaram observar o parto desses animais, mas até o momento quase todos fracassaram. Num período de 30 anos, viram essas cabras copularem ou parirem nas montanhas da Judéia somente quatro vezes. Obviamente, Deus estava acentuando a ignorância de Jó no tocante ao que acontece na natureza. 5. Em Mateus 3.3.31, 32, Jesus cometeu um erro quando disse que a semente de mostarda é a menor de todas? Algumas pessoas dizem que sim, pois lembram que a semente da orquídea, e não a da mostarda, é a menor das sementes. Mas Jesus referiu-se à mostardeira como uma hortaliça e, naquela época, a mostarda era realmente a menor semente de hortaliça da Palestina. E evidente que naquele tempo não existiam sementes de orquídeas lá. A semente de mostarda é tão pequena que cerca de 750 sementes pesam um simples grama. Então, seriam necessárias aproximadamente 21 000 sementes para pesa;- 30 gramas. No entanto, apesar de tão diminuta, a mostardeira pode atingir uma altura de 3,5 a 4,5 metros em um ano! 6. Em Lucas 13.32, Jesus chamou Herodes de raposa porque achava que este era dissimulado e astuto? Não, naqueles dias a raposa era tida como um animal traiçoeiro; assim, Jesus estava insinuando que Herodes era conhecido por sua traição. 7. Por que Jesus condenou a figueira que não tinha frutos, se nem era época de figos? (Mc 31.12.-14) Em Israel, as figueiras costumam produzir pequenos botões em março e grandes folhas verdes em abril. Esses pequenos botões eram “frutos” comestíveis. Jesus “amaldiçoou” a figueira na época da Páscoa, ou seja, abril, Como a planta não apresentava botões, não daria frutos naquele ano, Mas o “tempo de figos” ia do final de maio até fins de junho, que é Continue lendo

Versículos bíblicos de dízimo e oferta

Versículos bíblicos de dízimo e oferta

Há quem dê generosamente e vê aumentar suas riquezas, outros retêm o que deveriam dar e caem na pobreza.(Provérbios: 11.24) Introdução: O dízimo é uma ordenança de Deus, além de um reconhecimento de que tudo o que temos provém do Senhor. Significa devolver um percentual de tudo o que recebemos, para realimentar a Obra de Deus. A oferta é uma decisão voluntária, do crente agradecido pelas ricas bênçãos que Deus lhe tem proporcionado. O dinheiro parece ser uma coisa neutra, mas não é. Ele tem o poder de transformar as pessoas para o bem e para o mal. Por isso, é muito comum se dizer que a “última coisa a ser converter no crente é o bolso”. Sendo assim, em nossa caminhada com Deus não podemos perder de vista tudo o que Ele tem feito em nossas vidas e honrar a Deus através do dízimo e da oferta. Versículos sobre dízimo e oferta no Antigo Testamento: Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. (Malaquias: 3.8) Fala aos filhos de Israel que me tragam uma oferta alçada, de todo o homem cujo coração se mover voluntariamente, dele tomareis a minha oferta alçada. (Êxodo: 25.2) Separem o dízimo de tudo o que a terra produzir anualmente. (Deuteronômio: 14.22) Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações, os seus celeiros ficarão plenamente cheios e os seus barris transbordarão de vinho. (Provérbios: 3.9-10) Diga o seguinte aos levitas: Quando receberem dos israelitas o dízimo que lhes dou como herança, vocês deverão apresentar um décimo daquele dízimo como contribuição pertencente ao Senhor. (Números: 18.26) Quando chegaram ao templo do Senhor em Jerusalém, alguns dos chefes das famílias deram ofertas voluntárias para a reconstrução do templo de Deus no seu antigo local. (Esdras: 2.68) E pesei diante deles a oferta de prata e de ouro e os utensílios que o rei, seus conselheiros, seus oficiais e todo o Israel ali presente tinham doado para a casa de nosso Deus. (Esdras: 8.25) Versículos sobre dízimo e oferta nos Evangelhos: Deem e lhes será dado: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês. Pois a medida que usarem, também será usada para medir vocês. (Lucas: 6.38) Jesus sentou-se em frente do lugar onde eram colocadas as contribuições e observava a multidão colocando o dinheiro nas caixas de ofertas. Muitos ricos lançavam ali grandes quantias. Então, uma viúva pobre chegou-se e colocou duas pequeninas moedas de cobre, de muito pouco valor. Chamando a si os seus discípulos, Jesus declarou: “Afirmo-lhes que esta viúva pobre colocou na caixa de ofertas mais do que todos os outros. Todos deram do que lhes sobrava, mas ela, da sua pobreza, deu tudo o que possuía para viver”. (Marcos: 12.41-44) Versículos sobre dízimo e oferta em Atos dos Apóstolos: Em tudo o que fiz, mostrei-lhes que mediante trabalho árduo devemos ajudar os fracos, lembrando as palavras do próprio Continue lendo

Pai Nosso meditado

Pai Nosso meditado

CRISTÃO: Pai nosso que estais no céu…DEUS: Sim? Estou aqui. CRISTÃO: Por favor, não me interrompa, estou rezando!DEUS: Mas você me chamou! CRISTÃO: Chamei? Eu não chamei ninguém. Estou rezando. Pai nosso que estais no céu…DEUS: Aí, você chamou de novo. CRISTÃO: Fiz o que?DEUS: Me chamou. Você disse: Pai nosso que estais no céu. Estou aqui. Como é que Posso ajudá-lo? CRISTÃO: Mas eu não quis dizer isso. É que estou rezando. Rezo o Pai Nosso todos os dias, me sinto bem rezando assim. É como se fosse um dever. E não me sinto bem até cumpri-lo…DEUS: Mas como podes dizer Pai Nosso, sem lembrar que todos são seus irmãos, como podes dizer que estais no céu, se você não sabe que o céu é a paz, que o céu é amor a todos? CRISTÃO: É, realmente ainda não havia pensado nisso.DEUS: Mas, prossiga sua oração. CRISTÃO: Santificado seja o Vosso nome…DEUS: Espere aí! O que você quer dizer com isso? CRISTÃO: Quero dizer… quer dizer, é… sei lá o que significa. Como é que vou saber? Faz parte da oração, só isso!DEUS: Santificado significa digno de respeito, Santo, Sagrado. CRISTÃO: Agora entendi. Mas nunca havia pensado no sentido dessa palavraSANTIFICADO … “Venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu…”DEUS: Está falando sério? CRISTÃO: Claro! Porque não?DEUS: E o que você faz para que isso aconteça? CRISTÃO: O que faço? Nada! É que faz parte da oração, além disso seria bom que o Senhor tivesse um controle de tudo o que acontecesse no céu e na terra também.DEUS: Tenho controle sobre você? CRISTÃO: Bem, eu freqüento a igreja!DEUS: Não foi isso que Eu perguntei. Que tal o jeito que você trata os seus irmãos, a maneira com que você gasta o seu dinheiro, o muito tempo que você dá à televisão, as propagandas que você corre atrás, e o pouco tempo que você dedica à Mim? CRISTÃO: Por favor. Pare de criticar!DEUS: Desculpe. Pensei que você estava pedindo para que fosse feita a minha vontade. Se isso for acontecer tem que ser com aqueles que rezam, mas que aceitam a minha vontade, o frio, o sol, a chuva, a natureza, a comunidade. CRISTÃO: Está certo, tens razão. Acho que nunca aceito a sua vontade, pois reclamo de tudo: se manda chuva, peço sol, se manda o sol reclamo do calor, se manda frio, continuo reclamando, se estou doente peço saúde, não cuido dela, deixo de me alimentar ou como muito…DEUS: Ótimo reconhecer tudo isso. Vamos trabalhar juntos Eu e você, mas olha, vamos ter vitórias e derrotas. Eu estou gostando dessa nova atitude sua. CRISTÃO: Olha Senhor, preciso terminar agora. Esta oração esta demorando muito mais do que costuma ser. Vou continuar: “o pão nosso de cada dia nos daí hoje…”DEUS: Pare aí! Você está me pedindo pão material? Não só de pão vive o homem, mas também da minha palavra. Quando me pedires o pão, lembre-se daqueles que nem Continue lendo

Existem evidências geológicas que comprovam  ter havido um Dilúvio universal?

Existem evidências geológicas que comprovam ter havido um Dilúvio universal?

O registro bíblico de Gênesis 7 e 8 descreve não uma inundação local, circunscrita ao vale da Mesopotâmia (como alguns estudiosos têm sugerido), mas o nível das águas cobriu os picos das montanhas mais altas. Gênesis 7.19 declara: “As águas dominavam cada vez mais a terra, e foram cobertas todas as altas montanhas debaixo do céu” [literalmente, “que estavam debaixo de todo o céu”; grifo do autor). A seguir, o versículo 20 informa que o nível da água ergueu-se quinze côvados acima dos montes (quinze côvados equivalem a dez metros). O mais elementar conhecimento das leis da física leva-nos à observação de que a água procura seu nível exato. Uma enorme onda pode temporariamente atingir uma grande altitude, acima do nível normal do mar, mas o episódio aqui descrito durou cerca de um ano, pelo que não se trata de uma torrente súbita, temporária. Se o nível da água subiu dez mil metros, cobrindo o pico do monte Evereste, o mais alto do mundo, deve ter atingido esse patamar em toda a terra. Até o monte Ararate, onde a arca de Noé pousou, a água elevou-se a mais de seis mil metros. A água que subisse a tão elevados níveis certamente cobriria toda a superfície da terra, exceto os mais elevados picos dos Andes e do Himalaia, mais algumas cordilheiras da América e da África. Portanto, ou concluímos que o Dilúvio foi universal ou o registro bíblico está lamentavelmente errado. É verdade, sem a menor dúvida, que a elevação das montanhas ainda está em processo na América do Norte, mas nem mesmo a redução de alguns milhares de metros na altitude de cordilheiras tão elevadas como os Andes e o Himalaia mudaria substancialmente a distribuição das águas do Dilúvio no âmbito mundial. A questão das evidências geológicas é muito debatida entre os cientistas, de acordo com a posição que assumem quanto à validade do registro bíblico. Certos geólogos cristãos acham que alguns dos maiores distúrbios sismológicos indicados em várias partes do globo, nos níveis cenozóicos, explicam-se melhor como tendo origem no Dilúvio (cf. Gn 7.11: “No dia em que Noé completou seiscentos anos, um mês e dezessete dias, nesse mesmo dia todas as fontes das grandes profundezas jorraram, e as comportas do céu se abriram”. Algumas camadas contêm grandes blocos de argila saibrosa, no meio de areia grossa, o que se pode plausivelmente atribuir a violentos movimentos ondulares de água em agitação, algo que nunca se viu em nossa época. Mas é possível que as evidências mais impressionantes da violência do Dilúvio por toda a terra encontrem-se na espantosa profusão de animais da era quaternária, ou recente, cujos ossos teriam sido violentamente estraçalhados, e foram descobertos em depósitos escavados em várias localidades da Europa e da América do Norte. Rehwinkel (The flood) indica que esses depósitos estão presentes até mesmo em montanhas de grande altitude e estendem-se a uma profundidade que vai de 45 a cem metros. Visto que nenhum esqueleto se acha completo, pode-se dizer com certa segurança que Continue lendo

Versículos bíblicos sobre cura

Versículos bíblicos sobre cura

Cura-me, Senhor e sararei, salva-me e serei salvo, porque tu és o meu louvor.(Jeremias: 17.14) O Senhor é o Deus que cura, sabemos disso, mas muitas vezes duvidamos. Somos pessoas que pouca fé, facilmente quebrantados pelas dificuldades da vida. Olhamos mais para as circunstâncias do que para Ele e, por conta disso, sofremos. A Palavra de Deus contém inúmeros versículos testificando que somente o Senhor cura. Mas somos assim, cremos em Deus, mas não cremos que Ele possa nos curar de todos os males. O Senhor edifica Jerusalém, ele reúne os exilados de Israel. Só ele cura os de coração quebrantado e cuida das suas feridas. (Salmos: 147.2-3) Há tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir. (Eclesiastes: 3.3) Pelo Espírito a um é dada a palavra de sabedoria, a outro a palavra de conhecimento, pelo mesmo Espírito a outro a fé, pelo mesmo Espírito a outro os dons de cura, pelo único Espírito. (1 Coríntios: 12.8-9) Todavia, trarei restauração e cura para ela, curarei o meu povo e lhe darei muita prosperidade e segurança. (Jeremias: 33.6) E sabendo-o a multidão, o seguiu e ele os recebeu, e falava-lhes do reino de Deus, e sarava os que necessitavam de cura. (Lucas: 9.11) E Jesus lhes dizia: Não há profeta sem honra senão na sua própria pátria, entre os seus parentes e na sua casa. E não podia fazer ali nenhuma obra maravilhosa, somente curou alguns poucos enfermos, impondo-lhes as mãos. (Marcos: 6.4-5) Então clamaram ao Senhor na sua angústia e ele os livrou das suas dificuldades. Enviou a sua palavra, os sarou e os livrou da sua destruição. (Salmos: 107.19-20) Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça, deem também de graça. (Mateus: 10.8) Ele mesmo levou em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça, por suas feridas vocês foram curados. (1 Pedro: 2.24) Dizendo-lhes: “Se vocês derem atenção ao Senhor, ao seu Deus e fizerem o que ele aprova, se derem ouvidos aos seus mandamentos e obedecerem a todos os seus decretos, não trarei sobre vocês nenhuma das doenças que eu trouxe sobre os egípcios, pois eu sou o Senhor que os cura”. (Êxodos: 15.26) Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e ele seja ungido com óleo, em nome do Senhor. E a oração feita com fé curará o doente, o Senhor o levantará. E se houver cometido pecados, ele será perdoado. (Tiago: 5.14-15) Só ele cura os de coração quebrantado e cuida das suas feridas. (Salmos: 147.3) É ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças (Salmos: 103.3) Jesus ia passando por todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando as boas novas do Reino e curando todas as enfermidades e doenças. (Mateus: 9.35) O Senhor o susterá em Continue lendo

Josué realmente conquistou Jericó?

Josué realmente conquistou Jericó?

De acordo com a Bíblia, depois de 40 anos de caminhada no deserto do Sinai, Moisés trouxe os israelitas ao rio Jordão. Naquela fronteira separando o povo escolhido de seu lugar escolhido, Moisés subiu e permaneceu no monte Nebo, enquanto Josué, como seu sucessor, guiou o povo através do Jordão até o país de Canaã. Na história escriturística, esta entrada na Terra Prometida é realizada por uma série de conquistas militares nas quais os israelitas capturaram fortificações cananitas. A mais conhecida destas conquistas é a primeira cidade que caiu — Jericó — cujas muralhas, como todo professor de Escola Dominical tem ensinado — “desmoronaram”. Há apenas um geração aproximadamente, este relato da conquista era aceito como histórico por quase todo mundo. Naqueles dias, o relatório da escavação de Jericó pelos arqueólogos britânicos John e J.B.E. Garstang parecia quase confirmar sem sombra de dúvida a destruição bíblica do que era conhecido como a “Quarta Cidade” em Jericó. Incluído neste relatório estava o que foi reportado como sendo fotografias das mesmas paredes que caíram quando os israelitas tocaram suas trombetas. Estas fotos foram acompanhadas pela declaração de Garstang de que “não há dificuldade agora para entender o tom de fé confiante que soa em cada linha da narrativa bíblica (Js 6)”. Da confiança à controvérsia Na década de 1950, todavia, Kathleen Kenyon escavou em Jericó e concluiu que Garstang estava errado. Na verdade, ela anunciou que suas descobertas revelaram que a cidade tinha sido destruída por volta de 1550 a.C., e portanto havia estado por muito tempo desabitada quando Josué entrou em cena. Para completar, uma geração de arqueólogos israelitas cavando em sítios estratégicos mencionados na narrativa da conquista também não acharam vestígio de destruição do tempo de Josué. Uma escola de pensamento predominante nos círculos arqueológicos hoje acredita que os eventos registrados sobre a conquista foram escritos muitos séculos depois de acontecerem os eventos que eles descrevem. Por esta razão, alguns eruditos alegam que estes relatos não contêm informação histórica acurada, mas somente lembranças de tradições. Como Nadav Naaman, professor de história judaica na Universidade de Tel Aviv explica: “Este enorme hiato explica as muitas discrepâncias entre as histórias da conquista e a evidência arqueológica”. Em círculos acadêmicos modernos, a questão de uma conquista histórica (“As muralhas de Jericó realmente caíram?”) não é mais uma questão de modo algum. Israel Finkelstein, que serve como diretor do Instituto de Arqueologia da Universidade de Tel Aviv e que tem escavado alguns dos sítios da conquista, diz: “Esta não é uma possibilidade, assunto encerrado!” Finkelstein chega a esta conclusão através de uma análise dos padrões de assentamento nas regiões montanhosas de Israel. Estes, diz ele, indicam que o “Israel verdadeiro”, não o Israel das histórias bíblicas, emergiu no cenário histórico no oitavo ou nono século a.C. (300-400 anos depois que a Bíblia estabelece estes eventos). Tais conclusões modernas nos alertam para o fato de que muitos problemas ainda permanecem para aqueles cuja missão é confirmar a conquista. Os problemas para a conquista Se permitirmos Continue lendo